Aracnoidite: uma doença rara que pode levar à morte

A aracnoidite é uma doença pouco conhecida, mas que atinge milhares de pessoas e pode levar à morte. Ela consiste na inflamação da aracnoide, uma das membranas que revestem e protegem o cérebro e os nervos da medula espinhal.

Essa inflamação causa dor crônica e outras complicações no organismo. Ela pode aparecer como consequência de uma infecção por vírus ou bactéria, entre outros fatores que veremos a seguir.

A aracnoidite costuma atingir mais a medula. Mas ela também pode aparecer no cérebro, região cervical, região do tórax ou lombar. Como pode atingir várias regiões do corpo humano, essa doença pode apresentar sintomas bem variados, tornando o diagnóstico mais difícil.

Como não é possível prever a velocidade do avanço da doença, é quase impossível estipular a expectativa de vida do paciente. Além disso, ela não tem cura e o tratamento consiste no controle dos principais sintomas, melhorando o bem-estar da pessoa. Veja a seguir tudo sobre a aracnoidite.

Causas da aracnoidite

Várias situações podem contribuir para o haver a doença. Isso porque, qualquer corpo estranho em contato com a membrana aracnoide, pode desenvolver a inflamação. Além disso, essa doença não segue um padrão.

Algumas pessoas podem apresentar a inflamação apenas por um determinado período de tempo, com sintomas leves. Enquanto outras podem apresentar um quadro irreversível, com sintomas muito graves. De qualquer forma, as principais causas dessa doença são:

  • Infecção por bactérias ou vírus: infecções como meningite viral ou fúngica ou tuberculose, mesmo depois de tratadas, podem afetar a aracnoide;
  • Compressão dos nervos espinhais: isso pode ser causado por doenças degenerativas do disco ou estenose espinhal avançada;
  • Complicações após algum procedimento na coluna: um processo mal feito no local, complicações após uma cirurgia ou até após a aplicação de anestesia, dependendo da reação do organismo.
  • Produtos químicos: o corante utilizado nos mielogramas já foi comprovado que isso ajuda no surgimento de casos de aracnoidite.

Sintomas da aracnoidite

Essa doença pode demorar para se manifestar. Assim os sintomas, muitas vezes, são identificados já em estágio mais avançados. Os principais deles são:

  • Dor crônica e intensa, que pode se assemelhar a um choque elétrico;
  • Cãibras e espasmos musculares incontroláveis;
  • Formigamento e dormência nos membros, com fraqueza generalizada;
  • Sensação de queimação nos membros;
  • Além disso, sensação de ter insetos debaixo da pele, ou água escorrendo pela pele;
  • Por fim, falta de controle sobre a bexiga e intestinos.

Conforme a doença progride, os sintomas se agravam. Chega um momento que o paciente sente muita dificuldade para se locomover. E isso o impede de fazer qualquer tipo de atividade, por conta das dores.

A inflamação, conforme vai evoluindo, faz com que os nervos e os vasos sanguíneos fiquem grudados uns nos outros. É por isso que a dor se torna intensa e, nesse estágio, o quadro é praticamente irreversível.

Tipos da doença

Existem vários subtipos de aracnoidite, de acordo, sobretudo conforme a região do corpo afetada:

  • Aracnoidite adesiva: é o tipo mais agressivo, pois os nervos espinhais ficam juntos por conta da inflamação;
  • Aracnoidite ossificante: acontece quando a inflamação se transforma em osso;
  • Além disso há aracnoidite cerebral: afeta a membrana que reveste o cérebro, causando forte dores de cabeça;
  • Aracnoidite hereditária: é rara e causada devido a defeitos genéticos nas meninges;
  • Há também a aracnoidite neoplástica: forma de aracnoidite causada pelo câncer;
  • Aracnoidite optoquiasmática: ocorre atrás do nervo óptico, pode causar perda de visão grave ou total;
  • Por fim há a aracnoidite torácica: atinge o tórax do paciente.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é feito por meio de exames de imagens, como tomografia computadorizada e ressonância magnética. Esses exames podem identificar a presença ou não de inflamação na medula espinhal ou em qualquer parte do corpo.

Antes do médico solicitar esses exames, é preciso avaliar o paciente, estudando, inclusive, seu histórico médico. Na fase inicial, os sintomas podem ser semelhantes com dezenas de outras doenças e condições. Por exemplo, uma hérnia de disco pode fazer pressão na coluna e causar dor.

Outra forma de diagnóstico é a realização do teste eletromiografia (EMG). Esse é um exame simples e indolor. Ele utiliza impulsos elétricos capazes de averiguar o tipo e a gravidade do dano presente no local afetado pelas dores do paciente.

Existe tratamento para essa doença?

Não existe um tratamento específico. Eles consistem em amenizar os sintomas e tentar frear o avanço da doença. Um neurologista pode indicar vários tipos de tratamento, que incluem por exemplo:

  • Fisioterapia: ajuda no controle da dor e ajuda na melhora dos déficits neurológicos que eventualmente podem surgir;
  • Tratamento com anti-inflamatórios;
  • Tratamento com corticoides;
  • Medicação para dor;
  • Além disso, prática de psicoterapia;

Em caso de aracnoidite causada por outra doença, como câncer e infecções, tratar essas doenças é fundamental para aliviar os sintomas.

A cirurgia também é uma opção de tratamento, porém, apenas em último caso. Mas esse processo gera controvérsias, pois pode causar complicações e aliviar os sintomas apenas temporariamente. Assim, o custo-benefício da operação não é bom para o paciente.

Convivendo com a aracnoidite

A Organização Mundial da Saúde já identificou mais de 7 mil doenças raras no mundo. Uma doença rara é assim definida quando atinge até 65 pessoas a cada 100 mil. No Brasil, são mais de 13 milhões de pessoas com alguma doença rara.

Conviver com uma doença rara pode ser muito difícil não apenas para o paciente, mas para toda a família. No caso da aracnoidite, as fortes dores impedem o paciente de ter uma vida normal, causando sérias limitações.

Assim, atividades do cotidiano, como trabalhar ou estudar, são comprometidas. Ou, às vezes, totalmente impossibilitadas.

Por isso que o tratamento psicológico é sempre indicado. Isso porque ele ajuda muito amenizar o impacto dos sintomas na saúde mental do paciente. Uma pessoa com aracnoidite convive todo o tempo com dor. Por isso o surgimento de depressão, por exemplo, pode agravar ainda mais a qualidade de vida do indivíduo.

Além disso, é preciso, acima de tudo, entender sobre a doença. A família também precisa conhecer essa patologia e confortar o paciente. São necessárias campanhas de conscientização na mídia e nos estabelecimentos médicos. Essas campanhas servem para que as pessoas não deixem para procurar um médico apenas quando o quadro já estiver muito avançado.