Tuberculose: conheça a doença e veja como tratá-la

Hoje vamos falar da tuberculose, que é uma das doenças mais antigas do mundo. Ela foi descoberta em 1882, mas há indícios dela em ossos humanos referentes a um período de 8.000 anos antes de Cristo.

Antigamente, uma pessoa diagnosticada com tuberculose tinha poucas chances de sobreviver. Mas, nos tempos atuais, essa doença já é muito conhecida pela medicina e a cura é possível, diante do tratamento adequado.

A tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível. Ela atinge sobretudo os pulmões. Mas ela também pode afetar outros órgãos do corpo.

Mesmo sendo uma enfermidade amplamente estudada pela medicina e que possui cura, a tuberculose ainda mata muita gente ao redor do mundo. O maior número de mortes ocorre em países pobres, incluindo o Brasil.

A seguir, vamos saber mais sobre a tuberculose, que é causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis (ou bacilo de Koch).

Principais sintomas da tuberculose

A tuberculose apresenta muitos sintomas, mas, o principal deles é a tosse que dura mais de 3 semanas. Muitas vezes, a tosse pode apresentar secreção e sangue, o que é mais um sinal da presença da doença. Confira os outros sintomas da tuberculose:

  • Febre, principalmente à noite;
  • Perda de peso e de apetite;
  • Além disso, falta de ar;
  • Cansaço;
  • Suores noturnos;
  • Dor na região do peito;

Esses últimos sintomas indicam que a doença está atingindo outras partes do corpo. Por isso, o atendimento médico adequado é essencial para o quadro não evoluir.

Fatores de risco da doença

A tuberculose atinge homens e mulheres de qualquer idade, no entanto, alguns fatores aumentam o risco de a pessoa contrair a doença:

  • Sistema imune debilitado;
  • HIV;
  • Mal nutrição;
  • Diabetes;
  • Hábito de fumar e ingerir bebida alcoólica;
  • Doença renal;
  • Uso prolongado de alguns tipos de medicamentos como, por exemplo, corticoides;
  • Por fim, leucemia e Linfoma de Hodgkin.

Tipos de tuberculose

Essa doença pode ser classificada de acordo com o local em que se desenvolve no organismo do paciente. Assim, podemos listar os principais tipos dessa enfermidade:

  • Pulmonar: é a mais comum se configura quando o bacilo atinge as vias respiratórias, e vai para os pulmões. Nesse caso, a tose com sangue é o principal sintomas e o principal meio de contágio;
  • Miliar: é a mais grave, pois o bacilo invade a corrente sanguínea e atinge todos os órgãos, incluindo os pulmões;
  • Óssea: é mais rara e acontece quando o bacilo atinge os ossos, causando inflamação e dor. Nesse caso, o diagnóstico é complicado, pois é fácil confundir com outras doenças;
  • Ganglionar: esse tipo consiste na entrada do bacilo no sistema linfático, atingindo a virilha, pescoço e gânglios do tórax, por exemplo. Ela não é contagiosa.
  • Pleural: ocorre quando o bacilo atinge a pleura, que é o tecido que reveste os pulmões. Causa grande dificuldade de respirar.

Também podemos classificar a tuberculose como latente e ativa. A ativa é mais difícil de tratar, pois a bactéria está ativa. Nesse caso, o risco de contágio existe e é grande. Por isso, todos os cuidados são necessários. Já a latente quer dizer que a bactéria está no corpo, mas não está ativa, ou seja, não causa sintomas e há risco de transmissão. Assim, o tratamento para esse tipo é mais fácil.

Diagnóstico da tuberculose

Ao procurar um médico, ele levantará um histórico do paciente, além de um exame físico detalhado. Se o profissional suspeitar de tuberculose, pode ser preciso fazer exames de imagens  como por exemplo uma radiografia do tórax. Se estiver localizada em outras partes do corpo, uma biópsia também será útil. Outros testes também podem ser realizados:

  • Baciloscopia;
  • Teste rápido para tuberculose;
  • Cultura para micobactéria;
  • Derivado proteico purificado (PPD).

Como acontece a transmissão?

A transmissão acontece de pessoa por pessoa, pelo ar. Ao tossir, espirrar ou falar, a pessoa com tuberculose libera gotículas infectadas no ar.

Assim, as pessoas que se encaixam em algum grupo de risco, como aquelas com o sistema imune debilitado, têm mais risco de serem infectadas.

Além disso, outro dado importante é que a transmissão ocorre somente quando há comprometimento pulmonar da pessoa infectada.

Dessa forma, evitar transmitir a doença, é preciso seguir alguns hábitos:

  • Cobrir a boca e nariz ao tossir e espirrar;
  • Fazer isolamento social;
  • Seguir o tratamento corretamente;
  • Por fim, manter a casa arejada.

Tratamentos para a tuberculose

Antes de tudo, vale ressaltar que o tratamento é totalmente gratuito aqui no Brasil, basta procurar o Sistema Único de Saúde. Geralmente ele dura 6 meses. É fundamental que a pessoa o realize até o fim, mesmo após os sintomas sumirem. A ausência de sintomas não significa que o paciente está curado.

Durante os primeiros 15 dias do tratamento, o paciente deve ficar isolado, para evitar contagiar outras pessoas. Este ocorre por meio do uso de vários remédios, cujo uso pode ser em conjunto, dependendo da decisão do médico.

Vale ressaltar que a tuberculose tem cura, mas o tratamento precisa ser feito de forma correta, seguindo todas as recomendações médicas. Se o paciente parar de tomar os remédios após os sintomas desaparecerem, há grande chance de a doença não ser curada.  Assim, a bactéria pode se tornar ainda mais resistente.

Hoje em dia, a vacina BCG é a principal forma de prevenir a doença. Essa vacina existe há 100 anos e se usa mundo todo. Outras vacinas estão em desenvolvimento, mas elas reduzem o risco de adoecer e não eliminam a chance de o indivíduo adquirir a doença.

O que acontece se a doença não for tratada?

Se o paciente começou o tratamento, mas não finalizou, o risco de a doença progredir é enorme. Assim, isso trará muitas consequências para o paciente:

  • A doença durará por um longo período;
  • Além disso, os remédios não farão mais efeito;
  • Maior taxa de contágio entre familiares e sociedade em geral.

Mesmo sendo tratada de forma adequada, a doença pode voltar, sobretudo para os pacientes imunodeprimidos.

Pacientes já debilitados por conta de outras doenças e com uma tuberculose não tratada corretamente possuem mais risco de morte. Por isso, é importante procurar um médico ao apresentar os sintomas e seguir o tratamento até o final.