Agosto azul: saiba mais sobre o mês de conscientização da saúde masculina

Você sabe o que significa o agosto azul? Além da amamentação, esse mês também é dedicado à conscientização da saúde masculina. O cuidado com a saúde precisa ser o ano todo, mas, nesse período, diversas ações lembram da importância dos check-ups para o bem-estar masculino.

Se cuidar significa, acima de tudo, cuidar também das pessoas que amamos. Por isso, ficar atento a qualquer alteração no organismo é importante para um tratamento adequado e diagnóstico precoce. Dessa forma, existem algumas doenças que são mais comuns no sexo masculino. A seguir, saiba mais sobre elas.

Agosto azul e o câncer de próstata

Esse é o tipo mais comum de câncer entre os homens, sobretudo após os 50 anos de idade. Além disso, os sintomas surgem quando a doença já está em nível mais avançado. Assim, os exames de rotina são muito importantes para todos os homens, especialmente aqueles acima dos 40 anos.

Quando há algo errado com a próstata, alguns sintomas se manifestam como, por exemplo:

  • Dificuldade de urinar;
  • Jato de urina muito fraco;
  • Vontade constante de urinar e sensação de bexiga sempre cheia;
  • Além disso, impotência sexual;
  • Dor ao ejacular ou urinar;
  • Por fim, dor nos testículos e na região do ânus.

Apresentar um ou mais desses sintomas não significa a presença de câncer, mas indica que é necessária uma investigação mais aprofundada. Assim, procurar o quanto antes um médico urologista é a primeira coisa a se fazer.

O câncer de próstata pode ser identificado com exame de toque retal e também de sangue. Assim, se o médico perceber alterações na próstata a partir de um desses dois procedimentos, ele solicitará uma biópsia do órgão. Após análise em laboratório, o diagnóstico pode ou não ser confirmado.

O tratamento envolve cirurgia, radioterapia ou tratamento hormonal, dependendo do estágio da doença e condições do paciente. Então aproveite o agosto azul, fique atento a qualquer alteração na próstata e consulte um médico regularmente.

Câncer de pulmão: outro problema regular em homens

Na última estimativa mundial, realizada em 2012, dos 1,8 milhão de novos casos de câncer de pulmão, 1,24 milhão foram detectados em homens. E cerca de 85% dos casos tem alguma relação com o consumo de tabaco ou seus derivados. Assim, o tabagismo é o grande fator de risco para essa doença. Entre os principais sintomas, estão:

  • Tosse constante;
  • Rouquidão ou outras alterações na voz;
  • Perda de peso e de apetite;
  • Além disso, falta de ar;
  • Sensação de cansaço e fraqueza;
  • Por fim, pneumonia ou bronquite.

O diagnóstico dessa doença pode ser feito por meio de exames de imagem, que incluem Raio-X do tórax e tomografia computadorizada. Uma broncoscopia também pode ser solicitada. O tratamento desse tipo de câncer é feito por uma equipe que inclui, por exemplo:

  • Oncologista;
  • Pneumologista;
  • Cirurgião torácico;
  • Fisioterapeuta;
  • Nutricionista.

Assim, se o diagnóstico tiver confirmação, há também a necessidade de o médico descobrir se existe focos da doença em outros órgãos. Quando ela está localizada apenas no pulmão, geralmente o tratamento é cirúrgico, seguido de quimioterapia ou radioterapia em alguns casos.

Se o câncer está no pulmão e nos linfonodos, quimioterapia e radioterapia são utilizadas ao mesmo tempo. Já pacientes que apresentam o câncer em outras partes do corpo, cabe ao médico decidir qual tratamento utilizar. Geralmente se faz o uso de quimioterapia e outras medicações.

Agosto azul e o infarto agudo do miocárdio

Popularmente conhecido como ataque cardíaco, essa condição é caracterizada pela morte de determinado tecido do músculo cardíaco por falta de oxigênio.  Além disso, esse é um problema que ocorre devido a uma obstrução da artéria coronária.

A principal causa dessa doença é o acúmulo de placas de gordura no interior das artérias. Além de obstruir a artéria, quando uma dessas placas se rompe, forma um coágulo que interrompe o fluxo sanguíneo. Alguns sintomas podem indicar um início de infarto:

  • Dor e desconforto no peito, que atinge também o braço esquerdo, costas e rosto;
  • Grande quantidade de suor;
  • Alterações na frequência cardíaca;
  • Por fim, falta de ar, principalmente em idosos.

Além disso, alguns fatores contribuem para essa condição, os chamados fatores de risco:

  • Tabagismo;
  • Colesterol alto;
  • Excesso de peso;
  • Diabetes;
  • Estresse e ansiedade;
  • Pressão alta.

Homens que apresentam um ou mais fatores de risco, ao sentir algum sintoma, precisam procurar um médico o quanto antes. O atendimento precoce pode ser decisivo para o futuro do paciente. Todo e qualquer segundo é importante.

Ao consultar um médico com algum dos sintomas de infarto, o profissional solicitará exames como um eletrocardiograma e um ecocardiograma. Um procedimento chamado cateterismo também pode identificar a presença ou não do infarto agudo do miocárdio.

Acidente vascular cerebral

O AVC, popularmente conhecido, ocorre quando vasos que transportam sangue para o cérebro se rompem ou ficam obstruídos. Essa doença atinge mais homens e é uma grande causadora de mortes, incapacitações e internações. Por isso é muito importante falar dela no agosto azul.

Nesse caso, o atendimento médico também é fundamental e pode salvar vidas. Existem dois tipos de AVC:

  • AVC hemorrágico: o vaso sanguíneo se rompe, causando hemorragia;
  • AVC isquêmico: é o mais comum e ocorre quando o vaso sanguíneo fica obstruído. Isso pode levar a uma trombose ou embolia.

Dessa forma, os principais sintomas gerais do AVC são:

  • Dificuldade de fala e compreensão;
  • Alterações na visão;
  • Perda do equilíbrio de forma súbita, com tontura e dificuldade para andar;
  • Além disso, quadro de confusão mental;
  • Formigamento no rosto, braço ou perna, que atinge um lado do corpo;
  • Dor de cabeça forte.

Além de atingir mais pessoas do sexo masculino, o AVC apresenta outros fatores de risco, que incluem:

  • Excesso de peso;
  • Pressão alta;
  • Diabete tipo 2;
  • Sedentarismo;
  • Uso de drogas;
  • Histórico na família;
  • Por fim, colesterol alto.

Assim, a melhor forma de prevenir o AVC é manter hábitos saudáveis diários, sobretudo em relação a alimentação e prática de exercícios.

Ao apresentar algum sintoma e procurar um médico, o profissional vai procurar confirmar a condição por meio de exames de imagem. Ao mesmo tempo, vários cuidados clínicos são necessários de forma urgente, incluindo verificar sinais vitais de forma seguida e outras medidas.

Por fim, após identificar o nível e gravidade do AVC, o médico determinará qual tipo de tratamento o paciente deve seguir. Os tratamentos mais comuns envolvem o uso de medicações e também um processo de reabilitação, feito por clínicas especializadas.