Quais os problemas mais comuns que atacam sua voz e como evitá-los?

A voz é um instrumento muito importante na vida cotidiana das pessoas. Por meio dela, é possível se comunicar melhor. Além disso, uma voz limpa é essencial para diversas profissões, já que ela também é um instrumento de trabalho para muitos.

Cuidar da voz, acima de tudo, é cuidar também da saúde de forma geral. Entre os principais problemas que atacam as cordas vocais, estão muitas doenças que atingem também outros órgãos ou sistemas.  Muitos fatores podem prejudicar a voz, causando rouquidão, falhas e até a sua perda, sem necessariamente a presença de uma doença específica.

Por isso, tais fatores precisam ser identificados e tratados o quanto antes para que a voz não fique prejudicada de forma permanente. Se houver alguma doença, o tratamento deve ser feito de acordo com a orientação médica. A seguir, vamos saber quais os problemas mais comuns que atacam a voz e como evitá-los.

O que leva à alteração das cordas vocais?

Uma voz alterada pode ser resultado tanto de fatores internos como externos. Podemos citar os principais motivos que alteram a voz e que podem causar problemas no futuro:

  • Consumo constante ou exagerado de bebidas alcoólicas;
  • Uso de drogas, pois elas ressecam a laringe;
  • Cigarro, pois a fumaça prejudica a mucosa da laringe, provocando tosse e pigarro;
  • Além disso, alergias dos mais diversos tipos, como alergia ao pó ou alimentar;
  • Alimentação desregulada ou com excesso de produtos industrializados;
  • Poluição no ar, sobretudo em áreas industrializadas;
  • Exposição ao ar condicionado, pois a umidade do ar é reduzida, ressecando a laringe;
  • Hábitos ou manias como forçar a tosse sem necessidade;
  • Por fim, algumas doenças específicas.

Rouquidão causada pelo próprio uso da voz

A rouquidão é um dos principais problemas que atacam a voz. Ela pode ser causada por várias doenças, mas também pelo próprio uso da voz. Nesse caso, dois fatores causam uma rouquidão crônica:

  • Uso da voz de forma incorreta: quem utiliza as cordas vocais como instrumento de trabalho precisa tomar certos cuidados. Usar intensamente as cordas vocais e mudar de forma constante seu tom pode causar rouquidão. Isso ocorre, por exemplo, com cantores.
  • Inadaptações fônicas: isso ocorre quando não há adaptação do aparelho fonador à produção da fala. Muitos fatores podem causar essa inadaptação, como problemas na formação da laringe.

A laringite é a principal doença que atinge as cordas vocais

Até agora, conhecemos os problemas que atacam a voz e não estão relacionados a doenças, mas que podem causar enfermidades no futuro. Agora, é hora de ver as principais doenças que atacam a voz. Uma delas é a laringite.

Este mal é uma inflamação da laringe, que pode ser causada por uma infecção viral ou até pelo uso em excesso da voz. A laringite também pode ser bacteriana, mas esse tipo é raro.

A laringe é um órgão localizado entre a faringe e a traqueia. Qualquer alteração dele afeta as cordas vocais. As principais causas da laringite são:

  • Infecções das vias respiratórias, que podem ser por bronquite, pneumonia, gripe, sarampo, entre outras doenças;
  • Uso excessivo ou inadequado da voz;
  • Reações alérgicas;
  • Refluxo gastronômico;
  • Além disso, a bulimia;
  • Inalação de substâncias como fumaça;
  • Por fim, alguns tipos de medicamentos.

O principal sintoma dessa doença é a mudança na voz do paciente. Mas eles variam dependendo da gravidade da inflamação. Nos casos mais graves, podem aparecer febre, mal-estar e outros sintomas no corpo de forma geral e não apenas na voz.

O diagnóstico é feito com um exame clínico e com exames como a laringoscopia direta e indireta. O tratamento tem o objetivo de aliviar os sintomas. Se a laringite estiver sendo causada por alguma outra doença, como bronquite, é preciso tratar essa doença.

Nódulos vocais também são comuns

Como falado antes, muitos fatores alteram a voz e podem levar a doenças no futuro. Além da laringite, os nódulos vocais estão na lista dos problemas que atacam a voz.

Esses nódulos consistem em lesões inflamatórias fonotraumáticas. Essas lesões surgem quase sempre após o uso excesso ou incorreto da voz. Ocorre muito em crianças e profissionais que utilizam as cordas vocais como instrumento de trabalho (locutores, cantores, professores, etc.).

Os nódulos vocais também estão associados a outras situações, como infecções, alergias, distúrbios da tireoide, entre outros. Eles são popularmente conhecidos como “calos”, e causam:

  • Rouquidão;
  • Perda do alcance e potência vocal;
  • Soprosidade;
  • Maior esforço para falar.

O tratamento dessa doença consiste em exercícios fonoaudiólogos. Em casos raros pode ser preciso cirurgia, mas isso depende de uma profunda avaliação médica.

Disfonia e afonia: cuidado para não perder a voz

A disfonia é caracterizada pela dificuldade de produzir sons vocais. Assim, isso afeta a fala e a qualidade da voz, que pode ficar rouca, estridente ou muito fraca. Já a afonia significa a perda total da capacidade de fala.

Essas duas situações podem ser causadas pela laringite, mas outros fatores podem contribuir para essas condições:

  • Mau uso da voz;
  • Presença de algum vírus na região vocal;
  • Inalação de substâncias prejudiciais ou irritantes;
  • Consumo excessivo de cigarro álcool e outras drogas.

A disfonia e a afonia costumam desaparecer em poucos dias. Mas em alguns casos essas condições duram um tempo maior. Pessoas que utilizam a voz de forma constante apresentam maior risco de ter estes problemas.

Assim, as pessoas que trabalham com a voz precisam ficar de olho em certas situações que podem prevenir ou aliviar esses problemas:

  • Evite fumar;
  • Procure beber muito líquido, mas evite bebidas muito geladas ou muito quentes;
  • Além disso, dê uma pausa na bebida alcoólica;
  • Utilize a voz de forma equilibrada, evitando gritar, por exemplo;
  • Por fim, evite situações de estresse ou qualquer tipo de tensão psicológica.

Como cuidar da sua voz?

Para evitar e prevenir os principais problemas que atacam as cordas vocais, o indivíduo precisa seguir algumas medidas diárias, que incluem:

  • Beber, no mínimo, 2 litros de água por dia;
  • Não se automedicar ao apresentar qualquer anomalia na voz;
  • Evitar consumir comidas gordurosas e refrigerantes;
  • Moderar no consumo do café;
  • Evitar fumar e ingerir bebidas alcoólicas;
  • Não passar muito tempo em ambientes poluídos;
  • Por fim, procurar um especialista ao apresentar qualquer tipo de sintomas persistente.